26 de out 2017

Barrada 2ª denúncia contra Temer; de Uberaba, só Adelmo foi a favor

Câmara Federal barrou ontem a continuidade da segunda denúncia contra […]

Câmara Federal barrou ontem a continuidade da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Ao todo, 251 parlamentares se posicionaram contra a abertura da investigação no STF (Supremo Tribunal Federal). Houve 233 votos a favor do prosseguimento da denúncia e duas abstenções e 25 deputados estavam ausentes. Um não votou.

Dos deputados da região, apenas Adelmo Carneiro Leão (PT) votou pela admissibilidade da denúncia. Aelton Freitas (PR), Caio Narcio (PSDB), Marcos Montes (PSD) e Zé Silva (SD) seguiram o posicionamento do relator da Comissão de Constituição e Justiça, negando autorização ao STF para a abertura do processo. Todos mantiveram o mesmo posicionamento adotado na primeira denúncia, analisada em agosto.

PMDB, PP, Avante, PSD, PR, DEM, PTB, Pros, PSL, PRB, Solidariedade, PSC e PEN orientaram as bancadas a votar a favor de Temer. Já as lideranças do PT, PSB, PDT, PC do B, Podemos, PPS, PHS, Psol e Rede orientaram parlamentares a se posicionar pela investigação do presidente no Supremo. O PV e o PSDB ficaram em cima do muro e liberaram as bancadas para a votação. A oposição tentou obstruir a pauta e foram necessárias oito horas para reunir o número mínimo de deputados em plenário para abrir a sessão e votar a denúncia.

No início da tarde, chegou a ser analisada a possibilidade de adiar a votação devido à falta de quórum. O esvaziamento do plenário era manobra para deixar o presidente mais algumas semanas sob desgaste. Um requerimento chegou a ser apresentado por parlamentares da base aliada, mas foi rejeitado em plenário.

A votação para decidir sobre a abertura da investigação no Supremo começou por volta de 19h e se estendeu por quase três horas. Nos discursos, Temer foi acusado por vários deputados de comprar votos para permanecer no poder. Com a decisão, parlamentares seguiram o posicionamento do relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), já aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e que recomendava a rejeição da autorização ao Supremo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

MENU