17 de Out 2016

SOS Haiti: braços abertos para a solidariedade

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira lançaram uma campanha SOS em solidariedade às vítimas do furacão Matthew, que atingiu o país caribenho no último dia 4 de outubro. Estima-se que um milhão de pessoas tenham sido afetadas pelas tempestades e que o número de mortes possa passar de 1 mil.

Os recursos arrecadados com a campanha serão destinados a ações de urgência, como o fornecimento de água potável, alimentos, cobertores, kits de higiene, lonas e tendas. Será dada prioridade de atendimento às pessoas em abrigos improvisados, mulheres grávidas, crianças e adultos com deficiência física. Com este apoio, pretende-se também ajudar na reconstrução de casas, escolas e outras estruturas que busquem melhorar as condições de vida da população.

Este foi o pior desastre enfrentado pelo país desde o terremoto de janeiro de 2010, quando mais de 300 mil pessoas morreram. Ainda hoje. há milhares de pessoas vivendo em barracas devido às consequências do terremoto, o que agrava ainda mais a situação do país com a passagem do furacão Matthew.

Eis o relato que o Fr. Sérgio Defendi enviou à Rádio Vaticano:

A passagem do Furação no Haiti no inicio de outubro deixou o Sul do país em ruínas. Os caminhos conhecidos parecem lugares estranhos, pois a paisagem mudou completamente. Muitas casas desabaram completamente (plat a tè). Das nossas construções em Abacou, vila onde moro há 6 anos, o posto de saúde ficou praticamente sem zinco; já na escola de informática a ruína foi maior, pois além de levar o zinco, estragou muitos computadores, arrancou janelas, derrubou e quebrou mesas e armários. Duas igrejas da nossa paróquia caíram, as outras duas, construídas recentemente e por isso mais sólidas, uma teve parte do telhado arrancado e a outra só sobraram os muros. O impacto maior. porém, é a destruição do ecossistema. Fala-se que 75% do ecossistema da região foi destruído. No nosso terreno, por exemplo, tínhamos mais de 30 arvores grandes, entre coqueiros e outras frutíferas. Não sobrou nenhuma de pé. A consequência imediata desse desastre são pessoas desabrigadas. Porém, a consequência mais dura vai ser e já está sendo a fome. Muita fome, bastante fome. Acabaram as frutas, não vai ter a colheita do feijão (pwa kongo) que estava próxima, a fruta pão (lanm veritab), até sobraram algumas árvores de pé, mas sem nenhuma folha. E assim poderia continuar citando. Com isso, mais uma vez, o Haiti abre os braços bem abertos para a solidariedade internacional. Esse é um ponto positivo, a solidariedade. Aqui uns tentando ajudar os outros, dando abrigo aos desabrigados, por exemplo. Nos outros países, pessoas vendo as necessidades e ouvindo o clamor do povo haitiano. Desde já agradecemos a todos que de alguma forma ou de outra ajuda a este povo e ajuda a nós que estamos aqui com e por este povo.

Um abraço a todos (as), fraternalmente, Frei Sérgio Defendi.

Contribua!

As ajudas financeiras podem ser depositadas nas seguintes contas, administradas pela Cáritas Brasileira em favor das vítimas do furacão Matthew:

Banco do Brasil
Agência: 3475-4
Conta Corrente: 33781-1

Caixa Econômica Federal
Agência: 1041
Operação: 003
Conta Corrente: 3943-9

CNPJ da Cáritas Brasileira: 33.654.419.0001/16

Fonte: br.radiovaticana.va

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>