19 de Mai 2017

Crise na Política

Nenhum comentário

A crise política instalada no país desde que veio a público trechos da delação premiada dos donos da JBS Friboi causou danos praticamente irreversíveis ao governo Michel Temer. A avaliação é do cientista político, Leonardo Barreto. De acordo com Barreto, o pronunciamento dado por Michel Temer, nesta quinta-feira (18), onde o presidente rechaçou qualquer ideia de renúncia, pode ser encarado como a única forma que o presidente encontrou para negociar uma saída do poder menos prejudicial para a própria imagem.

“No momento em que você não tem popularidade, você não tem uma base no parlamento que permita que você avance na sua agenda econômica e você tem sobre si um conjunto muito grande de suspeitas, só resta uma leitura. O presidente está se apegando no cargo, provavelmente, para ganhar tempo, para negociar sua saída. Negociar sua saída com a justiça, negociar as condições desse processo, negociar uma transição.”

A crise que preocupa o governo teve inicio na noite de quarta-feira (17), quando o Brasil foi surpreendido com uma notícia publicada no site do jornal ‘O Globo’.  A reportagem trazia a informação de que Temer teria ouvido de Joesley Batista, um dos donos da JBS, que o empresário estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que os dois permanecessem em silêncio na prisão. Temer, então, segundo o jornal, disse: “Tem que manter isso, viu?”.

Temer também teria indicado à Joesley, o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F, que controla a JBS Friboi. Posteriormente, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley.

Nesta quinta-feira, a delação premiada dos irmãos Joesley Batista e Wesley Batista foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. O ministro que é o relator da operação Lava Jato no STF também decidiu abrir inquérito para investigar o presidente Michel Temer.

A notícia que causou danos ao governo Temer também pode ser encarada como ruim para os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, avalia o doutor em Ciência Política pela UnB, Leonardo Barreto.

“Aumentaram as chances do Lula e da Dilma serem presos, viu. Porque você equilibrou a narrativa. Se antes você tinha a sensação de que havia perseguição política, agora não tem mais. Pau que bateu em Chico bateu em Francisco também. Então, eu acho que caso o pessoal lá decida por uma condenação ou por uma prisão do Lula, hoje eles se sentem mais confortáveis em fazer isso do que ontem. Então, eu acho que a narrativa fica mais simples para uma prisão tanto do Lula quando da Dilma.”

Para Leonardo Barreto, os últimos acontecimentos da operação Lava Jato vão definir o futuro da política no Brasil. De acordo com o cientista político, o cenário para uma eleição presidencial, com voto direto, em 2018 ainda é imprevisível.

Reportagem, João Paulo Machado
Fonte: agenciadoradio.com.br

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>